Famosos

Mamma Bruschetta clama por mais trabalho e revela se tem desejo de retornar ao SBT

Ela disse que precisa de mais renda na pandemia

Mamma Bruschetta contou em uma entrevista que quer mais opções de trabalho para complementar a renda. No ar no “Melhor da Tarde”, da Band, a apresentadora de 71 anos precisa de mais dinheiro por conta da pandemia.

“Ajudo gente da minha família e alguns amigos que eu tentava dar uma força. Mas com essa pandemia e essa situação financeira precária, já não tenho podido fazer muita coisa por ninguém. Está tudo muito contadinho. Estou conseguindo manter o essencial”, disse ela ao Notícias da TV.

Em seguida, ela comentou a parceria com Cátia Fonseca. “Estar na Catia me deu um alento. Não sou contratada da Band, ganho um cachê de participação duas vezes na semana, na quarta e na sexta-feira. É com esse cachê que estou sobrevivendo. E eu tenho um alívio de estar no ar e ter mais oportunidades de tentar algo por fora”, agradece.

Leia mais > Fantástico é atingido por falha técnica e vai para o intervalo às pressas

Porém, antes de sair do SBT, Mamma Bruschetta já se encontrava em situação delicada. Isso porque ela já tinha enfrentando um câncer no esôfago. Assim, passou por quimioterapia e seguiu com acompanhamento médico. “Estava em casa e não estava trabalhando presencialmente no SBT. Quando fui desligada oficialmente, fiquei muito preocupada porque deixei de ganhar o meu salário. Ficando sem ele, pensei: ‘Como vou manter minhas contas?'”, conta.

Por fim, Mamma Bruschetta abriu o jogo e disse que aceita voltar ao SBT se receber convite de Silvio Santos. “Ele queria saber como estava minha situação. Eu respondi que estava livre. Se ele me chamar, já mandei dizer que eu quero voltar, sim. Voltaria numa boa”, crava.

Apesar da demissão, o relacionamento entre ela e Silvio Santos seguiu amistoso. Muito pelo fato do SBT ter mantido o plano de saúde. Assim, Mamma pôde seguir com segurança no tratamento da doença. “Tenho a impressão de que meu câncer foi extirpado de uma vez. Semanalmente faço exames de sangue. E a cada dois meses o PET-scan [tomografia computadorizada por emissão de pósitrons] e endoscopia para ver se está tudo certo. Por enquanto, está tudo certo. Estou muito bem, graças a Deus”, encerrou.

Claudio Augusto

Jornalista formado pela UFG (Universidade Federal de Goiás), com passagem pela Rádio Universitária (UFG) e TV Anhanguera de Goiânia.

Veja também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo